Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

justbymartawahnon

justbymartawahnon

Just Ask ... About Fashion!

Just Fashion and Personality

 

Esta 4ªfeira, tive o prazer da colaboração de uma grande e muito querida amiga especializada em Comunicação de Imagem, Marta Rebelo.

 

O percurso da Marta é curioso, quem a conhece nos dias de hoje jamais dirá que em tempos foi uma menina "quadradona", formada em direito, a dar aulas na Clássica e como se não bastasse era deputada!

Yup... Tudo isto acrescido ao facto de ser uma ferrenha benfiquista, pior que muitos homens quando assiste a um jogo! Pode mudar a cor de cabelo, o estilo de roupa mas o seu benfica levará sempre no coração, ou não tivesse inclusive tido uma coluna no Jornal Record!

 

Surpreendente right? E é minha amiga esta grande maluca!

Uma grande cabeça, boa amiga, que um dia fez o que muitos não têm coragem, mandou tudo para o ar e atirou-se de paixao àquilo que na altura era apenas um hobbie para ser full time job.

 

 

Eis as questões colocadas à Marta Rebelo. Qualquer outra questão ou duvida que tenha, já sabe é so deixar o seu comentário.

 

 

Uma mulher que não seja fashion victim, mas que gosta de estar a par das tendências, pergunta-te: que cores deve usar sendo morena e sendo clara?

 

 

 

Marta Rebelo (M.R.): Gosto muito de pessoas que não são fashion victims, mas antes que vitimizam a moda! Que usam as peças, as cores, os acessórios a seu favor e não apenas para seguir tendências. A moda é utilitária, e não um exército em que somos cabos rasos.

 

Dito isto, todas nós temos A nossa cor. Depende de um conjunto de elementos que vão para além do sermos morenas ou mais clarinhas. O tom de pele, a cor e corte de cabelo, a estatura, o formato do nosso corpo e, last but neve rever the least, a nossa personalidade.

 

Vamos lá tentar resumir isto tudo dentro da generalização.

 

 

BIG NO NO: A mulher portuguesa tem uma enorme tendência para se refugiar nos nudes, na palete de beges e tons semelhantes, para passar despercebida. E anular-se. Quando não se sente segura em relação ao seu corpo, à sua imagem, quando não sabe o que fazer consigo própria. Não aconselho as cores que se aproximam perigosamente do nosso tom de pele a ninguém.

 

 

Morenaças: Mulheres como tu, de cabelo castanho a puxar para o mais escuro, e que têm naturalmente um tom de pele dourado saudável, ficam basicamente bem com todas as cores. Devem evitar os castanhos e o dourado (nas peças de roupa, não nos acessórios), por se confundirem demasiado com o tom de pele. E não abusar do preto, porque não precisam. Ficam lindamente de cor de rosa, por exemplo – uma cor muito arriscada, mas que lhes assenta como uma luva. Este verão, por exemplo, os padrões florais fortes são uma tendência que podem seguir sem medos!

 

 

Clarinhas: Aqui a generalização é ainda mais perigosa. Depende muitíssimo da combinação cor de cabelo-tom de pele. Além das demais características individuais.

 

Eu sou muito morena no tom de cabelo (embora arraçada de camaleão, eu sei!), mas tenho um tom de pele muito clarinho (costumo dizer que sou uma lula). Uma morena de pele clara deve usar e abusar desta combinação que é, de certo modo, exótica numa europeia do sul. E esquecer os nudes, o amarelo canário (mas pode brincar com o amarelo néon ou lima acido, tendência da estação), brancos e prateados. Verde esmeralda acentua a beleza da combinação, rosas a partir do pastilha elástica (mais claros vão anulá-la), rouge-rouge, laranja… o único tom “apastelado” que recomendo é o lilás, que também é tendência.

 

Uma loura clarinha deve atirar-se ao encarnado como a sua hit-colour. E esquecer os tons bebé, o rosa e o azul, os mentas, os amarelos que se aproximem perigosamente da cor de cabelo. As riscas PRETAS E BRANCAS – sempre sempre V-E-R-T-I-C-A-I-S – caem-lhe lindamente.

 

Uma ruiva-ginger clarinha tem de esquecer os laranjas e os amarelos, abusar do azul cerúleo e do encarnado.

 

 

Depois de tudo isto dito, teria de analisar o perfil individual da mulher em questão. O que é que quer realçar ou esconder, porque as cores também ajudam nessa tarefa, a sua profissão, a sua PERSONALIDADE. Nunca puxo as pessoas para além da sua zona de conforto, do risco que conseguem suportar. É absolutamente verdade que a beleza vem de dentro, em múltiplos sentidos: só quando te sentes lindíssima é que estás lindíssima: a pele ganha outro brilho, os olhos idem, e a linguagem corporal fala muito mais que um vestido. Ah, e o sorriso!

 

 

Uma mulher estrutura media ou baixa, com peso acima da média deve procurar que tipo de roupa? E quais as que deve evitar?

 

M.R.: Ou seja, baixinhas mais volumosas? Volto a dizer que estes conselhos são genéricos, e devem ser adaptados às características individuais de cada baixinha mais volumosa. Vamos lá!

 

O objectivo essencial de uma mulher com estas características físicas é verticalizar: esticar a silhueta, alongar, para criar a ideia de maior altura e menor volume. O corte das peças, as cores e padrões e o tipo de sapatos e os acessórios têm de se cuidadosamente escolhidos.

 

Primeiro: vamos criar uma linha vertical no corpo. E para isso esquecemos completamente:

 

a) Horizontalidades: pregas, riscas, barras, nem pensar pois encolhem em vez de alongar;

 

b) Comprimentos longos e midi e peças justas: em vez disso, vamos optar por comprimentos um pouco acima do joelho e linhas retas Saias e vestidos tubo, skinny jeans, mini-saias e shorts to shorty nunca, jamais! Os jeans e as calças devem ter um corte direito. Estas regras permitem disfarçar ancas mais largas e pernas mais volumosas.

 

c) Cinturas marcadas: o estilo império é um must have para mulheres com estas características, de cintura alta. Consoante o tamanho do busto e o à vontade com que a mulher lide com a copa do seu soutien, vamos optar por criar uma linha logo abaixo do peito (valoriza o peito pequeno ou cria um look sexy, no caso de um busto mais volumoso) ou uma linha mais fluida na cintura (para criar disfarce para um peito de copa maior).

 

d) Alças e comprimentos acima ou abaixo das ancas: tops sem alças, casacos e blazers na altura da anca e decotes em V (nunca em barco) são grandes auxiliares de alongamento. O contrário, seja para cima ou para baixo, é proibido.

 

Segundo: vamos escolher as cores adequadas e fugir de estampados e padrões fortes e de grandes dimensões. As riscas verticais alongam sempre, pelo que são grandes aliadas. Assim como o colourblock, o look monocromático (mesmo que as tonalidades da cor escolhida sejam variadas).

 

Terceiro: the right shoes – saltos altos sim, mas acima dos 10 cm apenas expõem a baixa estatura; saltos tacão (mais grossos) e nunca stiletos, para dar proporção; sandálias e sapatos abertos em vez de sapatos fechados, porque estes achatam a silhueta em vez de alongar.

 

Quarto: colares ou brincos statement nunca. E shoppers XXL, malas grandes em geral, idem. Apenas adicionam volume onde ele já existe.

 

 

 

Um homem que queira ser mais atrevido/arrojado a vestir-se deve arriscar em que peças de roupa? E uma mulher?

M.R.: Depende muitíssimo do nível de atrevimento que se pretende ou consegue alcançar/suportar.

 

No caso masculino, basta sair do padrão lusitano. O homem português usa uma trilogia de cores escuras e não foge disto: azul-preto-cinzento escuro. Seja no work look, tipicamente fato e gravata, seja num casual look: no primeiro vai uma camisa branca ou azul clarinha e uma gravata entre o encarnado sangue-de-boi e os azuis; no segundo look uns jeans azuis e um polo ou t-shirt azul-escuro ou branca com estampas minimalistas.

 

 

Mesmo que tenham de obedecer a um dress code mais clássico no quotidiano, aproveitem o sol e céu azul e escolham fatos azul clarinho, com ligeiros padrões e efeitos, brinquem com as calças e os blazers descombinando as cores. E nos demais dias, o céu é o limite! As colecções masculinas Spring-Summer 2014 apostam vivamente nos padrões florais e super coloridos. Ainda que não consigam esticar tanto o atrevimento, encontrem uma zona de conforto dentro das tendências e da cor, muita cor.

 

 

Uma mulher? Ui. Depende de tanta coisa. 

 

Algum conselho específico a passar a mulher portuguesa? Qual?

 

M.R.: SIMMMMMMMMM.

Párem de ser quadradas e formatadas. Não temos de usar todas cabelo comprido e liso. Não temos de ser todas alouradas ou disfarçar os brancos com madeixas louras. Não temos de usar todas ao mesmo tempo o que os cabides da Zara exibem. Não temos de abdicar de make up colorida e marcada para sermos mulheres sérias. E shorts e mini-saias aos quarentas? Go for it!

 

Sabem que apenas 47% das mulheres portugueses experimentam coloração? Este número sobre para quase 70% quando nos comparamos com o resto do mundo ocidental. O cabelo é a moldura do rosto, tem um impacto profundo na nossa imagem.

 

E por favor, por favor, por favor mesmo, casar-acomodar-engordar-e-desleixar?! Continuem a conquistar os vossos homens pelo estomago e passem a arranjar-se por vocês próprias. O mundo não se conquista por abdicação da vaidade. E a seriedade e qualidades maternais não se medem pelo tamanho das baínhas.

 

 

 

 

Muito obrigada Martinha, adorei!

 

 

See you next wednesday, here on Just Ask!

 

Love,

Marta

 

 

1 comentário

Comentar post