Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

justbymartawahnon

justbymartawahnon

Just when they let us dream

O que queres ser quando fores grande?

 

Ainda nem sabemos escrever, não entramos sequer para o 1º ano (antiga 1ª classe) e já corremos o nosso mundinho a gritar aos quatro cantos do mundo que hoje (porque amanhã será outro dia e novas ideias virão com ele) que seremos bombeiros, bailarinas, professoras, médicos, polícias, astronautas (esta havia muito no meu tempo) e pouco mais.

N1.png

Actualmente ao fazer a mesma pergunta a uma criança obtemos respostas (quase que automáticas) como cantores, estilistas ou pura e simplesmente - Famoso (seja lá isso o que for!).

O que quero dizer com este panorama é muito simples; desde que nascemos, somos incutidos a experienciar múltiplas actividades, conhecer outros mundos e porquê? Porque através deles vamos-nos conhecendo, vamos ultrapassando obstáculos que muitas vezes, se não ousarmos pisar o risco ignoramos o medo até então desconhecido. 

 

A uma determinada altura das nossas vidas, naturalmente as escolhas terão que ser feitas, as opções terão que ser limitadas para seguir um caminho profissional que faça sentido. Somos o chamado povo "desenrasca" mas nem tanto ao mar nem tanto à terra, mesmo porque quando queremos fazer um pouco de tudo acabamos não fazendo nada.

Engraçado que embora tenha este conceito como lema de vida, a minha natureza pregou-me uma rasteira, sendo que em criança, queria uma e apenas uma coisa (muito estranha, por sinal), e quando cresci, tive inclusive que mudar para um externato, fazer dois anos num para não perder devido às minhas indecisões.

Resumindo, em criança pedia à minha Mãe para quando crescer (uma vez que tinha que ser) ser empregada interna da nossa casa (tha was my top job - at least i knew where i was into) e quando chegou a idade de acertar, não tive nada a meu favor: os testes psicotécnicos deram 4\5 a tudo menos a tecnologias avançadas (nem sabia que isso existia!), deram 5 (eu que não dou uma para a caixa no que diz respeito a matemática, que o diga a minha filha coitada!). No final optei por gestão não me perguntei porquê, caí em mim no final do ano lectivo e mudei-me para um externato para seguir estilismo, sempre gostei de desenho mas a geometria descritiva ganhou-me e a meio do ano seguinte fui para letras e assim terminei o meu 12º Ano! Iniciação à Política, Geometria Descritiva, Contabilidade ou Filosofia Aplicada parece que não mas fez parte de um rol de uma só pessoa no espaço de 3 anos!

Saiu-se bem, pergunta você? Claro que poderia ter sido bem melhor mas o que sabia eu aos 15\6\7 anos se ainda hoje continuo a sonhar que gostaria de fazer\experimentar isto ou aquilo?! Faz de mim uma melhor ou pior profissional? Acredito que não, a vida junto com a maturidade, ensina-nos uma virtude - dar tempo ao tempo. Sempre tive a fúria de viver, por vezes parecia que só eu sabia que tinha 2\3 meses de vida e queria fazer de tudo um pouco e na maioria das vezes, deixando as coisas a meio.

 

Hoje trabalho como Relações Publicas, adoro o que faço, por vezes sinto que falta algo mais mas cabe-me a mim procurar preencher esse vazio; 1º tentar perceber com o quê e depois seguir em busca do quer que seja. Ainda hoje estava a constatar que faz precisamente 10 anos que trabalho como free lancer. Aos 30, tive a minha filha, divorciei-me e despedi-me da Sonae. Louca right?

Não de forma alguma; nunca estive tão viva como naquela altura e foi quando apercebi-me que profissionalmente só faltava "picar o ponto" numa empresa que já me tinha ensinado muito e estava na hora de partir. Tinha 30 anos e uma vida pela frente e um exemplo a passar para alguém; mostrar-lhe um dia, que na vida não ganha quem fica encostado mas aquele que até quando não está mal, mesmo assim, sai da sua zona de conforto em busca de melhor, seja profissional ou pessoalmente!

Não me arrependo, pelo contrário, olho para trás e sinto algum orgulho na minha pessoa por não ter baixado a cabeça e deixar-me ir como tanta gente que via e ainda vejo em meu redor...

Escrever é de facto algo surpreendente! Comecei a escrever este post ainda a pensar na Jéssica, ou melhor, transtornada com as consequências mesquinhas que ela levou em cima por causa de um ... Porra de um desfile, please! Enfim, e acabo a revelar mais um pouco de mim, a deixar cair mais uma parte do pano. espero que este não seja mal compreendido ou mal interpretado pois não pode ter sido mais natural e como ja disse várias vezes, this s my blog and i write whatever i want so i am not going to erase this, i was going to but i won't do it. It's me, my life, my past who makes who i am right now. Uma mulher apaixonada pela vida, Muito realizada a nível pessoal, encontrei aquilo que acharia impossível, é cliché dizer mas só pode ser a minha alma gémea, com todos os defeitos e virtudes, se há alguém que me conhece e também tem a humildade de aprender a ouvir-me é ele e acredito que temos todo o tempo do mundo para nos moldarmos. Somos muito parecidos e simultaneamente muito diferentes, acho que daí precisar dele como um quarto precisa de uma cama.

N2.png

I am not going anywhere and i believe my fights were worth it, when now i can share the world with the person that my little angels sent me to.

 

My wish when i grow up: STAY HAPPY & IN PEACE 

 

Love,

Marta